Destaques

História do Taekwondo a partir de Recife/PE

História do Taekwondo a partir de Recife/PE

 Taekwondo no Brasil - “Via Pernambucana”       Figura central na tentativa de redesenhar a “via crúcis” da modalidade a partir das primeiras aulas de Taekwondo em Recife na virada de 67/68, contamos, neste texto de releitura histórica da modalidade em Recife, com a ajuda do Mestre Marcio Gomes.                                                                   - Marcio Gomes no Clube Lee, final da déc de 70.                    Ms. Marcio e sua trajetória taekwondista, uma narrativa, por ele mesmo:   “Iniciei no Taekwondo nos anos 70. Por trás da minha casa tinha um campinho de peladas que eu e alguns colegas praticávamos o que a imaginação oferecia pesquisando livros revistas e filmes repetitivos da época. Eu tinha 14 anos e já era apaixonado pelos efeitos das técnicas e o fascínio coreográfico, artístico, marcial e a sensação de empoderamento em ter ou praticar uma auto defesa.Em 1974 o professor Manuel Carlos (Clube Lee Judô e Taekwondo) esteve aqui em Paulista/PE no Clube CTP na Praça Agamenon Magalhães no Centro, realizando demonstração de Taekwondo no estilo “Yung Man Kim”.  Neste evento eu peguei o endereço das aulas no Clube Lee, dojang do Clube Internacional do Recife no Benfica, onde fui moni...

50 anos de Taekwondo no Brasil

50 anos de Taekwondo no Brasil

 Meio Século (1968 - 2018) de Histórias!  Não é de agora que articuladores deste site vêm pesquisando e tentando entender eventos, circunstâncias e fatos a cerca deste tema que é a História do Taekwondo no Brasil. Antes de magoar egos mais sensíveis, comprometidos com este ou aquele grupo, começaremos em 2018 uma releitura da história do Taekwondo neste país, sem se preocupar com ideias já pré-concebidas ou instituídas ao longo do tempo e que deram a este ou aquele o protagonismo da Introdução do Taekwondo no Brasil. Tampouco nos pautaremos por supostas legalidades desta ou daquela organização internacional, que daria mais credibilidade a este ou aquele pioneiro como mais (ou menos) importante neste contexto. O fato é que o Taekwondo é muito maior que instituições e, mais ainda, que alguns figurões que se arrogam de algum patriarcado. Porém, trabalhamos sem desmerecer as inevitáveis dificuldades e desafios que boa parte dos nossos mestres pioneiros enfrentaram, até se consolidarem em nosso país, se ambientarem e se entenderem com nossa cultura, nossa gente. Antes, o respeito e gratidão a todos os pioneiros do Taekwondo nacional. Cada um, ao seu modo, com suas dificuldades ou possibilidades, nos proporcionaram este legado. O nosso ponto de referência neste estudo se pautará no momento e nas circunstâncias mais antigas que se têm registro (nomes, locais e legados), do início do ensino do Taekwondo em território brasileiro. Uma análise para além da tal oficialidade At...

Uma condenação “meia boca”.

Uma condenação “meia boca”.

  Quando se percebe que os “cúmplices políticos” ficaram de fora.         Mais uma vez o Taekwondo “Oficial” Brasileiro conseguiu “bombar” na mídia, ou seja, a modalidade virou notícia, nestes dias, com maior contundência. Infelizmente não por razões muito dignas.          Os principais sites esportivos do país não deixaram de dar destaques a um dos fatos mais relevantes de 2018.  Uol - Condenação de cartola do taekwondo abre portas para mais dirigentes presos; ESPN - Em decisão inédita no país, cartolas do Taekwondo são condenados por fraude em licitação e estelionato ; Globo - Ex-presidente da Confederação Brasileira de Taekwondo é condenado por fraude; Terra - Ex-presidente da Confederação Brasileira é condenado; MSN - Em decisão inédita no país, cartolas do Taekwondo são condenados por fraude em licitação e estelionato ; Lance - Taekwondo: Ex-presidente da Confederação Brasileira é condenado .      Na realidade quem acompanha o Tkdlivre.com há algum tempo não deve ter se surpreendido. Assim como, de nossa parte, não vamos fazer papel de abutres explorando a mazela alheia. Fomos combatentes o suficiente para alertar os erros e negligências que vinham acontecendo há pelo menos 5 anos, de modo que já apontávamos possíveis consequências, como acabou se confirmando.      Porém, há algo que não pode deixar de ser observado e registrado: Que foi o papel negligente, cúmpl...

Novo momento do Taekwondo “Olímpico” Brasileiro e os resquícios dos velhos vícios que tendem a se perpetuar.

Novo momento do Taekwondo “Olímpico” Brasileiro e os resquícios dos velhos vícios que tendem a se perpetuar.

  Por “n” vezes ao longo da história deste Site, insistíamos que os problemas que assolaram o Taekwondo no Brasil, eram “os problemas”, sem necessariamente satanizar quem os denunciavam. Poucos nos entendiam e muitos, em especial nossa classe dirigente, optava por um caminho um tanto temerário que era tentar calar as vozes destoantes, as críticas. De nada resolveu! Estivemos ao longo do tempo, tão certos, que os tais “problemas” arrastaram alguns para o ralo da história entre outros, à ruina. Fora aqueles que viram sua significância virar pó arrastando junto o taekwondo do estado que se diziam representar. Neste momento, devido ao tamanho descalabro que a gestão - dita “oficial”-, da modalidade levou o Taekwondo “Olímpico” Brasileiro, chegamos ao fundo do poço com uma inevitável intervenção oficial na entidade. Tentando se recompor, em 24/Abril/2017, foi realizado nova eleição para um novo mandato e quem sabe, um novo rumo para a gestão do Taekwondo que se diz “oficial” no Brasil, muito embora represente uma fatia bastante questionável, possivelmente menor do que se imagina,  do universo de praticantes da modalidade em solo brasileiro. Durante este período, nos abstemos totalmente deste processo político eleitoral, de modo a que nossas críticas não venham a ser identificadas como choro dos perdedores. Deixem-nos fora desta! Pois, quem conhece nossa história, sabe que do lado dos derrotados e na própria chapa “Muda CBTKD” havia personagens no qual em hipótese alguma...

Cenário desolador para o tal do Taekwondo "Olímpico" Brasileiro

Para quem acompanhou o Tkdlivre.com por anos, sabe o quanto alertamos para esta situação, da mesma forma as vezes que, não só alertávamos como cobrávamos: Quem vai se responsabilizar ou ser responsabilizado por isto?   Site Globo.com escancara o que ja temíamos:   Sem comprovar gastos, CBTKD pode ter que devolver mais de R$ 5 milhões ao COB   Entidade enfrenta crise financeira e não teve verba da Lei Agnelo/Piva deste ano liberada por Helena Rebello, Rio de Janeiro, em 14/03/2017 19h29 O cenário era alarmante. A sede estava fechada e os recursos financeiros, diante de um impasse político, estavam inacessíveis. Com a nomeação de um interventor judicial, esperava-se que os problemas da Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD) fossem solucionados. Mas a chegada de Carlos Carvalho revelou uma situação ainda mais dramática. Segundo ele, a entidade pode ter que devolver R$ 5,5 milhões ao Comitê Olímpico do Brasil (COB) se não conseguir comprovar o uso de recursos da Lei Agnelo/Piva de 2014 a 2016.Carvalho foi convocado no início de janeiro para assumir o posto após indicação do Ministério Público Federal. Os trabalhos começaram no dia 1º de fevereiro e, em seu primeiro comunicado divulgado à comunidade taekwondista, afirmou que a situação era “extremamente preocupante”. De início, identificou débitos pendentes e avaliou a dívida em cerca de R$ 600 mil em despesas com aluguel de salas, condomínio, salários de funcionários e fornecedores.Após pouco mais de um...

01 05 banner-mnovo04.jpg 03 02 04

Entrevista histórica com o grão Mestre Yong Sul Choi

Entrevista histórica com o grão Mestre Yong Sul Choi por ocasião de sua visita aos Estados Unidos em junho de 1982

Mr Choi em que circunstância o Sr. foi morar no Japão?
Quando eu era criança, vivia na aldeia Yong Dong na província Chooong Chung na Coréia. Naquele tempo havia muitos japoneses em minha região, justamente devido a ocupação nipônica na península. Eu me tornei conhecido do Sr. Morimoto o qual não tinha filhos. Quando o mesmo decidiu retornar para o Japão ele me seqüestrou e levou-me junto pretendendo que e eu seria seu filho. Eu não gostava deste homem e por causa de minhas queixas e choro ele me abandonou na cidade de Moji logo após nossa chegada ao Japão. De Moji eu viajei sozinho para Osaka. Eu logo entrei em desespero, perambulando sem rumo, fui então apanhado pela polícia. Quando as autoridades descobriram que eu não tinha família no Japão, eles então conseguiram colocar-me em um templo budista. Eu vivi sob os cuidados do monge Kintaro Wadanabi por dois anos.

Quantos anos o Sr. tinha, quando foi seqüestrado?
Eu tinha cerca de 8 anos.

Quais circunstâncias levaram-no a morar na casa de Sokaku Takeda?
Enquanto eu vivi no templo, fiquei fascinado pelos murais e pinturas os quais retratavam batalhas e famosas cenas de artes marciais exibidas em todo o templo. Quando o tempo passou, Wadanabi perguntou-me qual direção eu tomaria para minha vida. Eu imediatamente apontei para a cena na parede retratando as artes marciais e disse que era isto que eu queria. Kintaro Wadanabi era muito amigo de Sokaku Takeda e apresentou-me a Takeda. Sokaku Takeda gostou de mim e demonstrando grande compaixão por minha situação, decidiu adotar-me. Após adotar-me, ele me deu o nome de Asao Yoshida. Eu tinha onze anos nesta época.

Em que cidade localizava-se o templo budista onde o Sr. morou?
Em Kyoto.

Em que região localizava-se o dojang e a casa do Sr Sokaku Takeda?
Sua casa e seu dojang situavam-se na montanha Shin Su na região de Akeda.

Como era seu treinamento com Sokaku Takeda?
Sokaku Takeda era o chefe da Daito Ryu Aiki Jutsu. Eu vivi em sua casa e aprendi sob sua direção pessoal por mais de 30 anos. Eu era seu assíduo aluno, a por vinte anos de meu treinamento eu fiquei recluso em sua casa na montanha.

Takeda era o professor da família real japonesa. Vocês estiveram envolvidos pessoalmente no ensino para a família real?
Sim, naquele tempo, eu era o professor assistente em todas as aulas. E em Tóquio nós ensinamos para as mais altas autoridades do governo japonês. Também viajamos para várias regiões do Japão e ensinamos vários grupos seletos de pessoas.

Você chegou a sair do Japão com mestre Takeda para demonstrações e ensinamentos em outros países?
Sim, quando eu tinha 28 anos, foi providenciado por políticos para que eu, meu mestre e os mais notáveis peritos viajássemos ao Havaí, para uma turnê de demonstrações e ensinamentos da arte.

Qual sua posição nesta excursão?
Eu era o líder da equipe de demonstradores, e estava sob a direção de meu mestre.

Quantas pessoas havia na equipe de demonstradores e o Sr. pode lembrar o nome de seus participantes?
Naquela excursão estávamos em cinco, Sokaku Takeda, eu mesmo Asao Yoshida, Jintaro Abida e dois outros que não lembro seus nomes.

Quando vocês retornaram do Havaí, houve mudanças significativas em suas vidas?
Não, nós continuamos a viajar e ensinar e ao mesmo tempo eu continuei aprendendo com o mestre Takeda.

Como sua vida foi afetada pela eclosão da 2ª guerra mundial?
A 2ª Guerra Mundial mudou as coisas em muitas maneiras. Meu professor e eu trabalhamos para o governo capturando desertores militares que iriam se esconder nas montanhas perto de nossa casa. Nós devolvemos estes homens ilesos para as autoridades. A mais significante mudança aconteceu perto do fim da guerra. O Japão estava perdendo a guerra e em um último e desesperador esforço o governo instituiu uma unidade militar especial de recrutamento que chamou os mais proeminentes artistas marciais da época. Estas pessoas com o mais alto nível de treinamento foram recrutados em unidades especiais de guerrilhas os quais foram dispersos por toda a zona de guerra. Todo o grupo principal do Daito Ryu foi recrutado com exceção de mestre Takeda e eu mesmo. A maioria destes homens foram mortos no final da guerra.

Por que vocês não foram recrutados junto aos outros?
Eu estava para ser recrutado, porém Sokaku Takeda interveio. Devido sua influência e status, ele tinha me hospitalizado para uma pequena cirurgia. Isto parou o processo de meu recrutamento e impediu-me de ser recrutado. Ele impediu que eu fosse para a guerra porque sentiu que se eu fosse morto, seria o fim do Daito Ryu em sua forma total após sua morte.

Quantas técnicas separadas Sokaku Takeda tinha desenvolvido e dominava em seu sistema?
3808.

Quantas destas técnicas você pessoalmente dominava?
Pouco antes de ele morrer, ele informou-me que eu era o único aluno que tinha recebido do mesmo todas as técnicas e segredos de sua arte.

Você sabe as circunstâncias da morte de Sokaku Takeda?
Ele pôs fim a sua vida por recusar-se a comer.

Por que ele fez isto?
O Japão nunca tinha sido derrotado em uma guerra. Sokaku Takeda sentiu que uma grande vergonha e humilhação tinham sido perpetrado em seus antepassados face a derrota do Japão pelos aliados. Sendo um homem de liderança, ele sentiu pesada responsabilidade pessoal nesta derrota. Por causa deste forte sentimento ele decidiu que seu único honroso caminho era o de por fim a sua vida.

Mestre Takeda fez alguma declaração final para você antes de sua morte?
Ele disse adeus e falou de meu grande desejo de muito tempo de retornar para a Coréia, então ele me propôs isto, ele estava preocupado com este assunto, por causa de minha posição em sua casa e por causa de minha herança coreana e que eu seria assassinado se permanecesse no Japão. Tivesse eu permanecido depois de sua morte para sucedê-lo, isto teria sido perigoso.

Quando você retornou para a Coréia?
Eu retornei logo após a morte de Sokaku Takeda.

Onde o Sr. se estabeleceu na Coréia?
Nós nos estabelecemos na Província de Taegu Kung Buk, onde estabeleci minha primeira academia coreana, e fiz ali meu lar desde então. Depois do retorno eu mudei meu nome de volta para Choi, Yong Sul e o nome da arte para HAPKIDO.

Fonte e Tradução Alcione Costa (Pesquisador da História Artes Marciais Coreanas)

Vídeos

A História que fazia sentido.

 

 

 

 

 

 

TV Replicante

RED BULL KICK IT 2017

 

 

 

 

 

01 03 04 09 05 10 08 07 02 06
06 14 13 15 04 12 10 08 01 07 05 03 02 11 09
01 02 03 04