Impacto da atividade física sobre o crescimento de crianças e adolescentes

Por: Crésio Alves1, Renata Villas Boas Lima2

 

Resumo

Objetivo: Apresentar revisão atualizada e crítica sobre o impacto do esporte e da atividade física no crescimento, desenvolvimento puberal e mineralização óssea de crianças e adolescentes.

Fontes de dados: Pesquisa bibliográfica nos bancos de dados Medline e Lilacs (1987-2007), selecionando os arti­gos escritos em inglês, português ou espanhol, a partir dos descritores “esportes” e “exercícios”, em combinação com “crescimento”, “puberdade” e “mineralização óssea”. Foram examinados 252 artigos e 48 deles selecionados.

Síntese dos dados: Diferentes modalidades esportivas não aumentam ou diminuem a estatura. Ocorre um viés de seleção, no qual fatores constitucionais determinam a seleção de biótipos privilegiados para determinados esportes. O exercício físico leve a moderado estimula o crescimento e deve ser incentivado. A atividade física extenuante, principalmente quando associada à restrição dietética, afeta o crescimento, o desenvolvimento puberal, a função reprodutiva e a mineralização óssea. A musculação praticada por jovens pré-púberes pode ser prejudicial, se não for realizada sob supervisão, já que há um potencial risco de lesão na cartilagem de crescimento. Entretanto, quando bem supervisionada, pode levar a um aumento de força e resistência muscular.

Conclusões: Os efeitos deletérios dos esportes sobre o crescimento e desenvolvimento só foram observados em atletas de elite submetidos a treinamento intensivo e restrição alimentar. Alterações hormonais e de citocinas inflamatórias são parte da fisiopatologia desse processo. É necessário que estudos longitudinais avaliem as repercussões da atividade física recreacional sobre a estatura final.

Acesse o Trabalho Completo!!!