1968 e o início do Ensino do Taekwondo no Brasil

Série:

50 anos de Taekwondo no Brasil - Meio Século (1968 - 2018) de Histórias!

Entender os primórdios do Taekwondo no Brasil e o pioneirismo dos mestres coreanos que pra cá migraram trazendo uma nova arte marcial que se juntava à Capoeira, ao Boxe, Judô, Jiu Jitsu, Luta Livre,Karatê e Kung Fú, como as mais proeminentes da época, não seria possível sem entendermos o papel que o Mestre Byung Kuk Lee desempenhou em Recife/PE a partir de sua chegada em 1967.

Resgatar esta história seria bem mais complicado sem a ajuda pessoal do Mestre Marcio Gomes (de Paulista/PE) e da memória genial que possui (Ler sobre em:), assim como da posição de testemunha vivencial que teve deste processo. Ms. Márcio faz uma ponte imprescindível com Manoel Carlos Almeida Neto. Este provavelmente o 1º JoKioNim (Aluno Assistente) em aulas de Taekwondo no Brasil a partir do ano de 1968.

Manoel Carlos merece uma História a parte por conta de sua relevância no Taekwondo Pernambucano entre 1968 até o final da dec. de 80, quando volta pra sua cidade de origem (Escada/PE) para ocupar cargo no INSS de sua Cidade. Tema específico que fica pra outro artigo.

Byung Kuk Lee, chegou ao Porto do Recife/PE em 29 de Janeiro de 1967, próximo de completar seus 31 anos. Teria chegado de forma clandestina, na carona de um barco pesqueiro, descendo no porto da capital pernambucana sem documentos pessoais (extraviado no decorrer da viagem), com apenas as roupas do corpo e não falava nada do nosso idioma.

Na época, talvez por ter os olhos puxados, de origem oriental, foi encaminhado para o Presidente da Federação Pernambucana de Pugilismo, ligado às forças de segurança, William Arruda, que, ao perceber a afinidade de judoca entre ambos, o acolheu em sua academia (William Arruda - WAR), localizada na Rua do Paissandu, nº 720, para que tivesse onde morar e também desse aulas na sua academia.

Com este fraterno acolhimento, donde resultou numa longa e respeitosa amizade, Byung Kuk Lee, com o apoio de William Arruda, passa, a partir de então, a fazer demonstrações de técnicas de defesa pessoal de Judô e Taekwondo em quarteis e escolas da Capital, o que lhes abriu espaço para um trabalho no 4º BCom (4º Batalhão de Comunicação do Exército em Recife). As aulas começaram no início de 1968, momento em que Manoel Carlos, que acabara de se mudar para a capital (de modo a seguir com seus estudos) começava a treinar com o Ms Lee neste Batalhão. Apesar de ser uma unidade militar, as aulas eram abertas a parentes e amigos de militares.

Embora o Ms BKLee fosse um judoca experiente, com mais de 15 anos de treino, Faixa Preta 3º Grau, e já ter sido técnico de judô na Escola Técnica de Incheon (Coréia do Sul), percebeu que a cultura marcial brasileira demandava de uma atividade mais dinâmica e intensa. Desta percepção, Lee começa a incrementar outra modalidade que já conhecia: o Taekwondo. Nome na época quase que impronunciável para os pernambucanos, segundo Manoel Carlos; a expressão Karatê Coreano acaba sendo um recurso de identificação mais prático.

No mesmo ano de 68 Ms BKLee abre outra frente de atuação, desta vez na 7ª Cia Com (7ª Companhia de Comunicações do Exército em Recife). Foi lá que o Mestre Lee e seu JoKioNim Manoel Carlos conhecem Renato dos Santos, importante Professor de Taekwondo Pernambuco (já falecido). Foi na 7ª Cia Com onde servia, que Renato conheceu e iniciou no Taekwondo.

Segundo Manoel Carlos, Ms BKLee viaja ao Rio de Janeiro no final de 1968 para fazer um Curso com Oswaldo Duncan de Aguirre.

Aqui uma observação pertinente: Considerando que seu amigo e acolhedor, William Arruda era presidente da Federação Pernambucana de Pugilismo, e o Taekwondo sem o reconhecimento oficial da CBP, o que só veio a ocorrer em 1974, BKLee deve ter sido orientado a fazer um curso para dar aulas de Karatê Coreano (Taekwondo) modalidade esta subordinada ao Departamento Especial de Karatê da CBP naquela época (Ler sobre em:). Osvaldo Duncan era carateca, escritor, professor de educação física no RJ e também judoca.

Talvez, o documento que faltava para Lee ele dar aulas de Taekwondo dentro da normalidade vigente.

A partir de então Ms Lee já se tornava figura conhecida, abrindo várias frentes de atuação, tanto no Judô como no Taekwondo, na cidade de Recife: Clube dos Oficiais da Aeronáutica (1967 a 1968); Colégio Militar do Recife (1968 a 1973); Colégio Nóbrega (1969 a 1970); Colégio Santa Maria (1969 a 1990), entre outros.

Porém, um marco significativo foi a inauguração da Academia Clube Lee Judô/Taekwondo, Rua Barão de São Borja, nº 36, Boa Vista em Recife/PE, em 25 de fevereiro de 1969, data que não deixa margem para erro, pois foi programada para ocorrer no dia do aniversário de 33 anos de seu fundador.

 

Pausa para um registro importante:

A Primeira Academia de Taekwondo no Brasil já estava em funcionamento 16 meses antes da chegada de Sang Min Cho ao Brasil, este, considerado o Introdutor e “Pai” do Taekwondo Brasileiro.

Mas, o papel deste Mestre não se limita a apenas as aulas de Judô e Taekwondo. Ms BKLee vai se transformar numa espécie de Consul informal da comunidade coreana em trânsito em Recife, e o Clube Lee em uma embaixada cultural e social. O porto de Recife recebia muitos coreanos, em sua maioria marinheiros, tripulantes da marinha mercantil e da frota pesqueira estatal coreana e era comum a academia receber e acolher muitos destes coreanos em trânsito marítimo. Entre eles, praticantes de Taekwondo que em terra firme treinavam entre si e com os demais alunos da academia, criando também o que podemos considerar os primeiros intercâmbios entre taekwondistas brasileiros e coreanos.

Porém, não era na academia que o “bicho pegava”; saiam faíscas, sim. Segundo relato pessoal de Manoel Carlos, embora estes visitantes treinassem muito fortes e duros, eram cordiais, respeitosos e bastante fraternos. Porém, nos bares e boates de Recife, quando encontravam outros marujos, chineses ou japonses, os conflitos e embates eram bastante contundentes.

Em 1971 Ms BKLee acolhe outro sul coreano, Mestre Jung Kil Moon, que vai atuar no Departamento de Taekwondo do Sport Club do Recife. Em 1972 é a vez de acolher um jovem coreano de 22 anos Yung Man Kim (mais tarde Introdutor do Taekwondo no RS), que vai morar e atuar no Clube Lee Judô, junto com Manoel Carlos, um pouco mais jovem que o coreano recém-chegado do sudeste do País.

Com a chegada de YMKim na Clube Lee e pelo tempo que por lá permaneceu, Mestre Lee aproveitou a presença do jovem coreano em sua academia para com a ajuda de seu assistente, Manoel Carlos, ocupar outros espaços e ensinar em vários locais em Recife, realizando também demonstrações na região metropolitana, como narra Ms Márcio Gomes em sua primeira experiência com o Taekwondo, em Paulista, município da grande Recife.

Em Setembro de 1973 Mestre Byung Kuk Lee viaja para São Paulo para participar do 1º Seminário Brasileiro de Instrutores de Taekwondo, ministrado pelo Gen. Choi Hong Hee (Fundador e Presidente da ITF), em primeira visita ao Brasil. Nesta ocasião, BKLee vai adquirir o status de Mestre Faixa Preta 4º Dan;

A partir de então, Mestre Lee volta a se dedicar aos estudos e a vida acadêmica. Gradua-se em Licenciatura Plena em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física (FESP), hoje Universidade de Pernambuco, concluindo o curso iniciado em 1957, ainda na Coreia. Em 1975 é aprovado no concurso público para professor da UFPE (Universidade Federal do Pernambuco.

Em 1976 vê seu aluno Manoel Carlos ser aprovado para faixa preta com o Mestre Gwan Soo Shin, que foi a Recife Ministrar Seminário Técnico e Exames de Faixas.

Em 1979, com a academia sob a responsabilidade do então Professor Manoel Carlos, acolhe outro mestre coreano na Clube Lee, desta vez, o Mestre Joo Yul Oh, impulsionador do Taekwondo de Competição no Brasil.

Neste mesmo ano, retornou à Coreia para realizar seu mestrado em Ciências Físicas na Universidade de Kiung-Hee (Seoul, Coréia do Sul). Na época, foi um dos primeiros docentes da UFPE a buscar formação acadêmica no exterior.

De volta ao Brasil continua sua vida docente lecionando, também, no ensino superior nos cursos de Educação Física da antiga FESP (Faculdade de Educação Física do Pernambuco), hoje Escola Superior de Educação Física (ESEF) da Universidade de Pernambuco (UPE) (1982) e do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Pernambuco (DEF/UFPE) (1975 a 2008) como membro efetivo do coletivo docente ou, posteriormente, como substituto (já aposentado da instituição).

Professor Mestre Byung Kuk Lee começou na UFPE em 1975, quando foi aprovado via concurso e aposentou-se em 1996 (pelo IFPE). Contudo, seguiu atuando na docência do Ensino Superior, ministrando a disciplina Judô, oficialmente, até 2000. Seguiu até 2010 sendo professor substituto a cada dois anos.

Seu assistente de outrora, Manoel Carlos, retornou na Década de 80 para sua cidade de origem, Escada/PE, para trabalhar até se aposentar como funcionário do INSS.

Com o destacado trabalho do Professor Renato Santos e um bom grupo de atletas de competição de alto nível que Mestre Oh lapidou, o Taekwondo Pernambucano ganhou o cenário nacional influenciando a expansão da modalidade para diferentes regiões e estados do Nordeste.

E se este boom da modalidade no Pernambuco teve grande influência nos trabalhos iniciados e impulsionados por Ms. BKLee. Há de se considerar que no início, a não graduação de Faixa Preta em Taekwondo deste mestre pouco influenciou seu trabalho, já que o mesmo, além de sua competência e tato para o ensino, não por acaso foi professor no ensino superior por mais de 35 anos em cursos de educação física, o 3º Grau de Judô conquistado na Coreia era uma graduação bastante honrada e significativa.

O Judô era umas das artes marciais que gozava de prestigio em solo coreano. Mestre Lee que treinara Judô desde os 14 anos, com o mestre Sang Tae Kim (na época, então chefe de polícia em Inchoen/Coreia do Sul) e também de técnico da equipe de Judô da Escola Técnica desta cidade, trás para seu desafio em solo pernambucano uma experiência marcial significativa além de conhecer o Taekwondo, o que facilitou bastante casar as duas modalidades de acordo com as demandas da clientela que frequentava suas aulas. Não por acaso foi graduado 4º Dan no Taekwondo pelo próprio Gen. Choi em 1973.

De qualquer forma, para além das disputas de narrativas pela posse do pioneirismo na introdução do Taekwondo no Brasil, o Mestre Byung Kuk Lee foi o Primeiro a promover aulas de Taekwondo em solo brasileiro, assim como abrir sua própria academia no início de 1969.

E quando, boa parte dos mestres pioneiros se digladiava por proeminência e controle da modalidade no País, Mestre Lee já tinha sua academia, seus alunos, podendo, a partir de então, se dedicar a uma vida de Professor Universitário em Educação Física que se revelou mais longeva possível.

Hoje, aos 82 anos, com a saúde um tanto debilitada, está aposentado vivendo com sua esposa, tem duas filhas e não mais abandonou a Capital Pernambucana que tão bem lhe acolheu.


Fontes:

Denis Foster Gondim em, Dojô: espaço de educação - Recife, 2017.

Marcio Gomes em, História do Taekwondo a partir de Recife/PE - Tkdlivre, 2018.

Manoel Carlos em, Entrevista in loco, cedida ao autor - Escada, 2018.

 

 - O Autor,  José Afonso, é faixa preta, professor, praticante e ativista no taekwondo brasileiro.

Artigo Publicado em 12/12/2018, as 21:00hs

Nota da Redação:
¹ O Tkdlivre, não necessariamente concorda com o conteúdo dos artigos publicados e assinados neste Site. O artigo em questão reflete exclusivamente a opinião do autor, e assim, da sua inteira responsabilidade.
²  De qualquer forma, aos questionamentos que este artigo sugere o Tkdlivre, se coloca de antemão, a disposição para, a quem interessar possa, exercer o Direito de Resposta ou fazer o Contraditório.

___________________ &&& ____________________