Por visibilidade e marketing, "CBTKD abre mão de medalha olímpica"

Em 20.abr.2015 às 8:05h

 

Deu no Blog  Por Rafael Valesi


Caros leitores, aqui embaixo está a reprodução da minha coluna semanal, publicada nesta segunda-feira na versão impressa do LANCE!. O tema é a possibilidade de Anderson Silva competir no taekwondo na Olimpíada Rio-2016. Será? Confiram.

Conquistar uma medalha olímpica é algo que exige uma série de fatores: investimento, talento, trabalho em equipe (mesmo em modalidades individuais), treino duro e tempo. Muito tempo. Com raras exceções, como a nadadora Ruta Meilutyte, campeã em Londres-2012 aos 15 anos, um atleta leva meses ou até anos para amadurecer. E nem sempre isso resulta em um lugar no pódio no esporte.

A consideração acima serve para analisar uma das notícias que mais gerou repercussão no esporte olímpico brasileiro na última semana: a possibilidade de Anderson Silva disputar uma vaga na Seleção de taekwondo em 2016. Criou-se até uma “campanha oficial”, com a confederação da modalidade (CBTKD) publicando matéria em seu site apoiando a iniciativa. No entanto, a entidade deixa de lado todos os preceitos do primeiro parágrafo, apenas para chamar atenção.

É fato que a CBTKD e seu presidente Carlos Fernandes (que virou caso de polícia em 2014 ao ter sua confederação investigada pela Polícia Federal, por denúncias de fraudes) atingiram em cheio a meta de gerar atenção para tal factoide. A mídia repercutiu o tema no Brasil e até mesmo no exterior. Mas e o que virá além disso? Mais dinheiro para a confederação? Patrocinadores? Não teria tanta certeza disso.

Em termos esportivos, é difícil acreditar que Anderson Silva estará na Rio-2016. Ele terá 41 anos (!) na época da Olimpíada, sofreu uma séria lesão no UFC recentemente e não faz parte da elite mundial do taekwondo. Pode até ser que ele se classifique por meio de uma seletiva olímpica nacional. Mas é difícil de acreditar que ele poderia conseguir pelo menos um bronze no torneio. Nem considero aqui o fato dele ter sido flagrado no doping recentemente, e tentar dar essa “carteirada” ao utilizar sua fama para ter um espaço na Seleção Brasileira.

Se a CBTKD e Anderson Silva quiseram atenção com esta notícia, estão de parabéns. Conseguiram alcançar o objetivo. Mas, se a confederação quer sonhar com medalhas na Rio-2016, o caminho não é esse, definitivamente. A entidade troca a chance de subir no pódio pela simples exposição midiática. E Carlos Arthur Nuzman, por incrível que pareça, é a favor de tudo isso.

 

Publicação Original em http://blogs.lancenet.com.br/rio2016/ - Acesse, Comente, compartilhem...