A AFLIÇÃO DO FAMOSO GENERAL DEAN

Por: Alcione Costa














General William F. Dean (1899-1981)


William F. Dean (1899-1981) General de Divisão da arma de Infantaria do Exército dos Estados Unidos da América, veterano da 2ª Guerra Mundial, posteriormente foi governador dos Estados Unidos na República da Coréia no período de Outubro de 1947 até Agosto de 1948, nesta época foi chamado de ´O açougueiro de Cheju`, por ter sido um dos responsáveis pelo extermínio de milhares de inocentes cidadãos, em sua ampla e absoluta maioria de pessoas sem nenhuma conotação política.

Durante a eclosão da Guerra da Coréia (1950-1953), Dean era o comandante da famosa 24ª Divisão de Infantaria do Exército a qual estava situada naquela época no Japão na ilha de Kyushu, e fazia parte do 8º Exército dos Estados Unidos.

A 24ª, foi o primeiro contingente terrestre de combate a chegar à península no mês de Julho de 1950, por ocasião do início do conflito, quando Dean estabeleceu o QG em Taejon. Nos dias 19 a 22 de Julho de 1950 na batalha de Taejon, quando suas tropas sofriam pesadas baixas, abaixo de fogo cerrado, já estando em retirada ele ficou separado de seus militares, escondendo-se nos dias seguintes na mata, onde foi capturado em 25 de Agosto de 1950. A partir disto, sua foto estava nas manchetes da imprensa internacional escrita em quase todo o mundo, por ser um oficial do Exército dos EUA de mais alta graduação a ser capturado no conflito.

Durante seu confinamento ele não teve nenhum contato com o mundo exterior até que em 18 de Dezembro de 1951 o famoso jornalista australiano Wilfred Graham Burchett (1911-1983) correspondente do jornal francês de tendência socialista ´Le Soir`, o entrevistou, foi a 1ª vez que se soube sobre sua existência, desde que tinha sido declarado, ´Desaparecido em Ação`. Ele foi libertado em 04 de Setembro de 1953, aproximadamente 37,5 meses após sua captura.

Quando de seu retorno a seu país, foi lhe conferido recepção e condecoração de herói, porém ele mesmo insistiu que não foi um herói, mas somente um soldado recruta. E assim declarou:

´´Se vale a pena contar a história da minha experiência na Coréia, o valor consiste na sua singularidade e não como algo brilhante e histórico; houve heróis na Coréia, mas eu não fui um deles, houve brilhantes comandantes, mas eu fui um general capturado porque segui uma estrada errada. Eu sou um oficial de Infantaria e presumivelmente fui impulsionado pelo meu ofício de combater. Eu não quero ter um álibi para aquele acontecimento, mas algumas poucas coisas poderiam ter sido melhores.

No front cometi alguns erros e me culpei umas mil vezes. Eu perdi terreno, que não deveria ter perdido, perdi oficiais treinados e notáveis homens, não estou orgulhoso por esta marca. Eu não tenho a ilusão que minhas semanas de comando constituíram-se em uma perfeita campanha. Nenhum homem pode envergonhar-se da medalha de honra, pela medalha e pela cordial recepção que recebi em 1953 eu agradeço humildemente, mas chego a ficar envergonhado em relação aqueles homens que lá tiveram atuação melhor e também por aqueles que lá morreram e não tiveram reconhecimento. Eu não deveria ter sido condecorado nem mesmo com uma estrela de madeira pelo que fiz como comandante. Mais tarde como fugitivo e prisioneiro, fiz coisas não muito comuns quando estava nervoso e não pensando corretamente. A única coisa positiva e algumas poucas outras, relacionava-se a minha família, ou seja, permanecer vivo. Outros prisioneiros resistiram a tortura, mas eu não fui torturado. Outros se esconderam nas colinas e finalmente conseguiram escapar, mas eu falhei em minha tentativa de fugir, outros blefaram os comunistas pesadamente. Eu tive bastante sorte por ter feito isto uma única vez.

Outros passaram fome, mas eu fui bem alimentado, tendo até aprendido a gostar de Kimchee. Outros morreram por um princípio, mas eu falhei em uma tentativa de suicídio.

Minha vida foi uma aventura, eu vi de perto a face do inimigo, tive tempo para estudar suas fraquezas e também sua memorável força, não nos campos de batalha, mas atrás das linhas.

Vi o comunismo trabalhando com homens e mulheres de alta educação ou nenhuma, muita ou pouca inteligência e foi uma coisa apavorante.``


O General William F. Dean faleceu em 25 de Agosto de 1981 aos 82 anos.

O autor, Alcione Prestes Costa é intenso pesquisador da cultura e das Artes Marciais Coreanas. É pioneiro na prática do taekwondo no RS.