ENSINANDO KARATÊ NA PRISÃO

Por: Alcione Prestes Costa

Com a eclosão da 2ª guerra mundial, o jovem Choi Hong Hi (1918-2002), assim como muitos estudantes coreanos que se encontravam no Japão (naquela época a Coréia era colônia do Japão), foi obrigado a alistar-se no Exército Japonês (na maioria das vezes faziam isso contra a própria vontade). Porém, Choi, juntamente com alguns de seus colegas tentaram frustradamente desertar, sendo capturados e aprisionados.

Em maio de 1945 algo diferente aconteceu, quando um guarda chamou-o para fora de sua cela. Nesta mesma prisão, mas sem contato com Choi, também se encontrava Park Sung Hwa, um dos parceiros de fuga. Um guarda da prisão tinha se tornado amigo de Park Sung Hwa e por conta disto, perguntou ao mesmo qual seria o seu desejo, e Park imediatamente disse que gostaria de assistir a uma demonstração de Karatê com o prisioneiro 91.

Sem saber o que estava acontecendo, Choi, o prisioneiro nº 91, nada percebeu. Talvez por entender que estava perto da data de seu julgamento, compareceu sem grandes perspectivas. Naquela época, Choi já tinha conquistado o 2º Dan no estilo Shotokan. Quando comunicado, Choi ficou com a voz embargada. Não só porque foi a 1ª vez que pôde ver Park desde que foram presos, mas também pela preocupação e interesse de Park para com ele.

Então Choi demonstrou algumas técnicas de Karatê. O guarda, sabendo do grande conhecimento de Choi, tanto em Taekyon (sua iniciação em Artes Marciais), como também em karatê e, achando aquelas poucas técnicas muito interessantes, ordenou a Choi que realizasse também uma demonstração de quebramento. Foram colocadas 9 telhas e o guarda, sabendo de sua responsabilidade caso Choi se machucasse, colocou uma toalha em cima das telhas. Choi quebrou-as todas de uma só vez com um soco. Imediatamente houve um sussuro de espanto e muitos aplausos vieram espontaneamente.

Mais tarde, Choi Hong Hi disse que apesar da platéia de 3 pessoas: o guarda, Park Sung Hwa, e um operário, o que carregou as telhas, aquela foi a demonstração mais significativa em toda a sua vida até aquele momento.

A partir daquela demonstração, a vida de Choi na cadeia melhorou muito, pois os outros guardas, sabendo do acontecido, muito insistiam para que Choi os ensinasse e então o pátio da prisão tornou-se uma verdadeira Academia de Karatê. Julgado em Junho de 1945, sua sentença foi 7 anos de prisão, porém logo foi revertida para pena de morte, marcada para o dia 18.08.1945 e 3 dias antes, ou seja, em 15 de Agosto de 1945, a Coréia foi libertada e Choi ficou livre.

Sobre o Autor: O Sr. Alcione Prestes Costa, ex-praticante da arte, é um aficionado, dedicado, intenso pesquisador e estudioso das artes marciais coreanas.