Marcelino não se dá por vencido

Por José Afonso*

A primeira semana de outubro de 2012 começa quente! E não é pra menos:

  • Primeiro por marcar o período pós-encerramento da fase de inscrições das chapas para a Eleição na CBTKD marcada para Março de 2013;
  • Segundo, por ser nesta Quinta Feira (04/09), ocorre uma AGE para novas aplicações e ratificações de punições contra atores políticos críticos à atual gestão, incluindo Marcelino e;
  • Por último, pela tão aguardada Entrevista do Mestre Marcelino Soares, ex-diretor técnico da CBTKD (2003 a 2008) ao programa “História do Esporte” do canal ESPN que vai ao ar apartir desta Quinta Feira (04/10), as 10 hs, conforme noticia o Blog Taekwondo Opinião.


Como é do conhecimento do coletivo taekwondista, Marcelino Soares, vem ao longo desta década tentando se credenciar para uma possível candidatura ao comando da entidade nacional que controla o taekwondo olímpico no País.

Não tratamos aqui se este seria ou não o melhor nome, mas o direito que pleiteava a concorrer a Presidência da CBTKD.

Marcelino acabou vendo seus planos ruir na AGE de Novembro de 2011, quando o atual gestor provisório em exercício da entidade fez mudanças estatutárias excludentes, afastando todos os seus possíveis concorrentes, incluído a provável candidatura do ex-diretor técnico da entidade.

Como isto, na cabeça do gestor provisório ainda não era suficiente, desencadeou-se por parte da sua gestão, uma ousada cruzada para punir e afastar todos os críticos da atual gestão, incluindo o próprio dirigente mineiro.

E para os que acharam que Marcelino Soares iria assistir seu próprio abate, inerte, se enganaram. Da mesma forma, quando chancelaram as autoritárias mudanças estatutárias em novembro passado sem pensar em possíveis consequências.

Não fizemos ideia do que virá a tona na Entrevista da ESPN. Da mesma forma que não sabemos se há sujeira debaixo do tapete. Certo mesmo é que, até lá, as dúvidas e incertezas do que virá nesta entrevista, vai deixar muita gente preocupada. Dizem que as denúncias são graves e prometem deixar em “saia justa” a atual gestão provisória da entidade nacional.

Independente do teor da acusações, o jogo político no taekwondo nacional começa a esquentar.

Como o atual e provisório gestor da CBTKD rompeu com princípios democráticos básicos na seara política do taekwondo nacional, agora vai ter de segurar a onda, pois a porteira parece que foi aberta. E nem há do que reclamar, muito menos jogar o ônus sobre seus opositores.

Ocorre que a responsabilidade de endurecer o jogo político foi toda do atual presidente provisório em exercício na entidade nacional do taekwondo olímpico brasileiro para atender suas ambições políticas, eleitorais e necessidade de unanimidade.

A unanimidade é burra. Como teria decretado o jornalista e escritor pernambucano Nelson Rodrigues. Melhor seria se tivesse preocupado com o consenso.

Politicamente falando, consenso é melhor que unanimidade. E isto, só se consegue através do diálogo, da negociação. Jamais, com medidas autoritárias, antidemocráticas ou de caráter questionável, muito menos com resenha em blogs anônimos de perfil duvidoso.

A sorte está lançada.

Até lá...


*O Autor José Afonso é faixa Preta, professor, praticante de taekwondo e ativista social no taekwondo brasileiro.


Artigo Publicado em 02/10/2012, as 0
8:30hs.

Nota da Redação: O Tkdlivre, não necessariamente concorda com o conteúdo dos artigos publicados e assinados neste Site. O artigo em questão reflete exclusivamente a opinião do autor, e assim, da sua inteira responsabilidade.