Um 2014 para ‘não’ ser esquecido.

Artigo Publicado em 01/01/2015, as 15:30 hs

 

 

 

Prezado leitor, pegamos carona no Ano Novo que se inicia e colocamos um Tkdlivre no ar mais ajustado, reformado e renovado, assim como as nossas forças, animosidades e esperanças.

 

O Ano de 2014, que por hora se encerra, entra para a história como um ano atípico, donde o que era para ter sido, não foi.

 

Embalado nas grandes manifestações que agitaram o País em 2013, por termos sido o País Sede de uma Copa do Mundo (por onde o Brasil seria vitrine para o mundo), por conta de um ano eleitoral beligerante, esperava-se a mesma tensão e agitação social do ano anterior, o que acabou não se concretizando.

 

Veio o chavão do “nãovaitercopa”. Acabou tendo. E se a Copa ia ser um fiasco, não foi. Mesmo a Seleção Brasileira caindo na semifinal de forma vexatória para a Seleção alemã, a tragédia foi tão rapidamente esquecida que acabou nem influindo no brilho do espetáculo.

 

 

Foi um ano de demandas cobrindo outras.

 

O segundo semestre de 2014 foi mais tenso. Veio o Período Eleitoral e com ele um acirramento político há muito tempo não visto. Neste processo, a força das redes sociais da internet mostrou sua face, donde as pessoas, em boa parte, não conseguiram ficar indiferentes ao calor das paixões, embates políticos e ideológicos.

 

Foi um processo acalorado, tenso e envolvente pelo qual amizades, parcerias e até laços familiares foram colocados à prova. Por sorte, independentemente de resultados, opiniões e paixões divididas, venceu a democracia.

 

E no Taekwondo?

 

Para o taekwondo foi um ano diferente, peculiar e, em alguns aspectos, contraditório e paradoxal.

 

O 1º Mandado de Dilma Rousseff no comando do País, que por hora se encerra, apesar de “n” críticas que se façam às políticas implementadas, este mandato, na verdade, foi o maior nome do Taekwondo Brasileiro. Isso porque foi este Governo Federal o grande patrocinador dos atletas de maior expressão e resultados, com vistas às Olimpíadas do Rio em 2016, seja através do Bolsa Atleta ou Bolsa Pódio.

 

 A Seleção Brasileira continuia beneficiada através da Petrobrás. A entidade que gerencia as verbas destinadas a modalidade na versão “Olímpica”, por sua vez, com as Verbas da Lei Piva. Isso sem acrescentar os convênios com o Ministério do Esporte, os quais vêm aparelhando as respectivas federações estaduais, mas que nem de longe cumprem o papel de fomentadores da modalidade.

 

Todavia, não é somente pelos caminhos mencionados acima que vem andando o taekwondo brasileiro. O Governo Federal, via Projeto Mais Educação, tem feito o Taekwondo ser praticado em boa parte das escolas brasileiras. E sem necessidade de benção das ditas entidades oficiais. E é caminhando por dentro das escolas que muitos faixas pretas voluntários deste projeto têm feito sua maior fonte de renda.

 

Muito embora não haja estatísticas confiáveis, é possível que os alunos de taekwondo, atendidos por este Programa, formem atualmente o grupo mais numeroso de praticantes no Brasil.

 

Podemos constatar, portanto, em vista de uma demanda desvinculada das federações, a pífia contrapartida que estas  Entidades com status de “oficiais” dão ao Governo Federal.

 

E há outra constatação não menos preocupante. Nesta toada, não se duvida que a Entidade que controla o Taekwondo “Olímpico” Brasileiro e suas federadas estaduais – além de não cumprirem o papel de aumentar o número de praticantes com registro – tenham (pelo contrário) apequenado a modalidade a tal ponto de deterem algo em torno dos 10% de todo o contingente de praticantes de Taekwondo no Brasil. (Para melhor entendimento desta tese, Leia "Qual o Tamanho do Taekwondo Brasileiro?"). 

 

Sendo assim, ainda que este percentual não balize com precisão tal representação, podemos concluir que estar filiado ou federado a uma entidade “oficial” do Taekwondo “Olímpico” Brasileiro (aquela que gerencia os Recursos Públicos investidos na modalidade) é uma exceção e não regra.

 

Com isto, abre-se um novo olhar ao nosso projeto de comunicação, de modo que neste Novo Ano que emerge tenhamos que olhar para outros grupos, outros trabalhos e outras perspectivas.

 

Que nossos esforços contribuam com o Taekwondo, para que ele se projete ao patamar que merece, da mesma forma que trabalhos respeitáveis e consistentes tenham também a visibilidade que mereçam.

 

 

Um grande Novo Ano para todos!!!

 

Redação Tkdlivre.com

Nota:

¹ - Aos questionamentos que este matéria sugere, o Tkdlivre.com, se coloca de antemão, a disposição para, a quem interessar possa, exercer o Direito de Resposta ou fazer o contraditório.

 

___________________________&____________________________